Finalizado o Campeonato Mundial de clubes no último sábado, terminou também mais uma disputa do Artilheiro do Ano, anteriormente conhecido como Prêmio Friedenreich. Pode-se dizer que deu zebra na corrida de goleadores nesta temporada. Pouco badalado quando 2017 começou, o atacante Henrique Dourado, do Fluminense, teve desempenho acima da expectativa e terminou o ano com 32 gols, deixando para trás jogadores renomados como Fred, Lucas Pratto, Paolo Guerrero, Ricardo Oliveira e Luis Fabiano. O Ceifador anotou 18 no Brasilelirão, seis no Carioca, quatro na Copa do Brasil e quatro na Copa Sul-Americana. Fred, do Galo, ficou dois degraus abaixo na disputa.

(Foto: Infoesporte)

Apesar de ter ficado na segunda posição, dá pra dizer que Fred fez mais gols do que seu desempenho sugeriu, o que evidencia a capacidade de definição do camisa 9 do Atlético-MG. A terceira colocação foi de Bergson, que terminou o ano com 28 gols pelo Paysandu. O sucesso pelo clube paraense fez despertar o olhar do Atlético-PR, que já garantiu a contratação do atacante para o ano que vem. André balançou a rede 27 vezes na temporada e foi fundamental para evitar o rebaixamento do Sport para a Série B.

Destaque do Artilheiro do Ano pelo Paysandu, Bergson vai defender o Atlético-PR em 2018 (Foto: Mauricio Mano/Site Oficial do CAP)

Artilheiro do Brasileiro com 18 gols, ao lado de Dourado, Jô voltou a fazer a diferença com a camisa do Corinthians e terminou o ano com 25 bolas na rede, em quinto lugar. Lucca (Ponte Preta), Rafael Oliveira (Botafogo-PB/Náutico), Jonatas Belusso (Brusque/Londrina), Tito (Confiança) e Diego Souza (Sport) completaram a lista dos dez primeiros de 2017. O detalhe é que Belusso poderia ter ameaçado mais os líderes. Isso porque ele fez 23 gols no futebol brasileiro até 3 de agosto, quando foi vendido ao Al-Shabab, da Arábia Saudita. A conta certamente cresceria.

Veja o Top 10 geral de 2017:

Alguns medalhões que disputaram a Série A ficaram aquém do esperado pelas suas torcidas. Um exemplo clássico disso é Lucas Pratto. O argentino chegou ao São Paulo sob muita expectativa e terminou a temporada com apenas 14 gols, além do desempenho considerado fraco. Guerrero anotou 20 gols pelo Flamengo no ano. Convocações e suspensões atrapalharam a sequência do peruano, mas difícil dizer se chegaria perto dos líderes, por não se tratar de um goleador nato.

Luis Fabiano conviveu com muitas lesões e terminou 2017 com apenas seis gols pelo Vasco. Ricardo Oliveira evoluiu no segundo semestre, mas fechou a temporada com apenas 12 gols, seis a menos do que o companheiro Bruno Henrique. Para se ter ideia do baixo número, o camisa 9 do Santos foi artilheiro do Brasil em 2015 com 37 gols.

Top 5 Artilheiro do Ano Série AA (Foto: Futdados)

Série B: figurinhas carimbadas mostrando serviço
Com seus 28 gols no ano, Bergson ignorou a concorrência dos principais marcadores dos times da Série B, mas, especificamente na disputa da segunda divisão, não brilhou sozinho. Mazinho, ex-Palmeiras, anotou 16 gols pelo Oeste, dividiu as honras e fechou a temporada com 17. O meia Renatinho se destacou pelo Paraná e foi para o abraço 18 vezes no ano.

LEIA MAIS:  Jô x Dourado: artilharia em jogo na noite em que o Corinthians buscará o hepta

O veteraníssimo Magno Alves, 41 anos, arrematou a artilharia do Ceará no ano, com dez bolas na rede. Marcos Aurélio, ex-Inter e Coritiba, Bill, ex-Botafogo e Corinthians, e Neto Baiano, ex-Sport e Vitória, foram outros jogadores experientes que se sobressaíram como principais artilheiros de Luverdende, América-MG e CRB, respectivamente.

O uruguaio Nico López, 17 gols pelo Inter, foi o gringo que mais marcou entre os times da Série B, e o terceiro, se incluirmos na conta a elite – só perdeu para Guerrero (20) e Lucas Barrios (18). Anderson Salles, zagueiro do Santa Cruz, e Germano, volante do Londrina, marcaram 11 vezes e merecem menção honrosa como defensores-matadores.

(Foto: Futdados)

Top 5 de 2016: como foram agora?
Robinho levou o caneco ano passado, com 25 gols, e este ano viu seu rendimento cair, não só em desempenho, mas em número de tentos: 12. Grafite teve a queda mais sentida, despencando da vice-liderança em 2016, com 24 gols, para o 456º lugar, com apenas quatro bolas na rede por Santa Cruz e Atlético-PR.

Quatro jogadores empataram com 23 gols na temporada passada: Fred se manteve no pelotão de frente; Kleber Gladiador caiu para 16 gols pelo Coritiba; Anselmo, ex-Fortaleza, deixou sua marca em sete ocasiões pelo Náutico; e Bruno Rangel, falecido no acidente da Chapecoense, no fim de 2016, não teve sua marca superada este ano – o artilheiro da equipe catarinense foi Wellington Paulista, com 17 gols.

O curioso é que Henrique Dourado, que chegou em julho de 2016 ao Flu, marcou apenas dois gols naquele ano. Bela reviravolta do centroavante, dono da 1.018ª posição no ranking passado.

Artilheiros do Ano de cada temporada:
2008 – Keirrison (Coritiba) – 41 gols
2009 – Diego Tardelli (Atlético-MG) – 39 gols
2010 – Jonas (Grêmio) e Neymar (Santos) – 42 gols
2011 – Leandro Damião (Internacional) – 38 gols
2012 – Neymar (Santos) – 43 gols
2013 – Hernane (Flamengo) – 36 gols
2014 – Magno Alves (Ceará) – 37 gols
2015 – Ricardo Oliveira (Santos) – 37 gols
2016 – Robinho (Atlético-MG) – 25 gols
2017 – Henrique Dourado (Fluminense) – 32 gols

Obs: A pesquisa contabiliza apenas gols de jogos oficiais por clubes brasileiros, sendo que os de estaduais conta-se somente os da primeira divisão de cada estado. Além deles, valeram os tentos das seguintes competições: Brasileiro Série A a D, Libertadores, Mundial, Sul-Americana, Recopa Sul-Americana, Copa do Brasil, Copa do Nordeste, Copa Verde e Primeira Liga.