Falta muito pouco para todos nós sabermos a lista completa dos 32 países que participarão da próxima Copa do Mundo. Nesta quarta-feira, depois de a Austrália confirmar sua presença na repescagem contra Honduras, restará apenas a definição entre Peru e Nova Zelândia. O papo então não poderia ser outro: Copa!

Falta muito pouco para todos nós sabermos a lista completa dos 32 países que participarão da próxima Copa do Mundo. Nesta quarta-feira, depois de a Austrália confirmar sua presença na repescagem contra Honduras, restará apenas a definição entre Peru e Nova Zelândia. O papo então não poderia ser outro: Copa!

Confira a lista:

8. Alexandre Guimarães (Costa Rica)

Nascido em Maceió, Alexandre Guimarães chegou à Costa Rica quando tinha 11 anos, por causa do trabalho de seu pai. O meio-campo adquiriu a cidadania costa-riquenha em 1985 e fez carreira nas principais equipes do país. Atuou pela seleção na Copa do Mundo de 1990, na Itália. Além disso, foi um dos responsáveis pela participação no Mundial de 2002, já como técnico. Nas duas ocasiões, enfrentou o Brasil.

7. Diego Costa (Espanha)

Compatriota em dobro de Marcos Senna, é Diego Costa. O sergipano esteve no grupo espanhol em 2014. Sem muito sucesso, como lembramos, e algumas vaias da torcida brasileira. Ainda tem chance de defender a Espanha em 2018, caso volte a atuar em alto nível a partir de janeiro no Atlético de Madrid.

6. Marcos Senna (Espanha)

A primeira vez que a seleção espanhola utilizou um brasileiro naturalizado numa Copa do Mundo foi com o volante, então atuando no Villarreal, para participar do torneio de 2006 na Alemanha. Dois anos depois, “La Roja” conquistou a Euro tendo Senna como um de seus alicerces.

5. Deco (Portugal)

Convocado por Luiz Felipe Scolari para a seleção portuguesa em 2003, o meia atuou nas Copas do Mundo de 2006 e 2010, quando se aposentou da equipe nacional. O ex-jogador do Fluminense é só mais um dos exemplos por parte dos nossos patrícios, que já utilizaram, dentre outros, Liedson e Pepe.

4. Thiago Motta (Itália)

Mais uma seleção que nos últimos anos tem convocado vários jogadores brasileiros naturalizados, a Azzurra no entanto só utilizou o volante Thiago Motta, na Copa de 2014, entre os mais recentes. Foi a primeira equipe estrangeira a chamar um brasuca para um mundial, quando convocou Filó em 1934.

3. Wagner Lopes (Japão)

Outro atacante na lista, Wagner Lopes tem uma importância especial para a seleção japonesa. Afinal de contas, era um dos principais destaques do time que se classificou pela primeira vez a um Mundial de futebol, no torneio de 1998, disputado na França. Foi o precursor para outros nomes, como Alex Santos (2002 e 2006) e Túlio Tanaka (2010).

LEIA MAIS:  Técnico do Barcelona rebate Cristiano Ronaldo, que diz ser ‘o melhor da história’

2. Cacau (Alemanha)

Apesar de os atuais campeões do mundo terem utilizado de “matéria-prima” brasileira algumas vezes na sua equipe (Paulo Rink e Kevin Kuranyi), apenas Cacau participou de uma Copa, a da África do Sul, em 2010. Também atacante, fez carreira principalmente no Stuttgart, onde jogou 263 partidas.

1. Luís Oliveira (Bélgica)

Atacante nascido no Maranhão, deixou cedo o país para tentar iniciar a carreira já nas divisões de base do Anderlecht. Com uma carreira sólida vestindo a camisa da Fiorentina, da Itália, Oliveira defendeu a Bélgica na Copa do Mundo de 1998.